Projeto precisa de voluntários para o ensino de deficientes visuais

Projeto precisa de voluntários para o ensino de deficientes visuais

Por Gabriele Abatti

Há um ano, aproximadamente, o professor Francisco Hoff de Moraes deu início ao projeto “Pedalando com Olhos e Coração”, a fim de ensinar alunos com deficiência visual a andarem de bicicleta sozinhos. O instituto busca de novos alunos e voluntários para ampliar a ação. A ideia começou no projeto Roda Guia, que funciona em Joinville há mais de cinco anos, onde Francisco foi voluntário durante três anos e ajudou mais de 30 alunos cegos a andarem, acompanhados, de bike. Foi ali que ele começou a sentir o prazer de proporcionar a pessoas com deficiência  a sensação do vento no rosto e a adrenalina da velocidade em um passeio de bicicleta. 

Assim que saiu do Roda Guia, Hoff teve a ideia de dar início ao seu próprio projeto, o Pedalando com Olhos e Coração. Seu objetivo era dar mais liberdade aos alunos para andarem de bike. “Xico”, como  é chamado, deu início aos estudos e à formalização do projeto até colocar em prática o primeiro passo: a parte teórica. Depois de aprenderem noções básicas, como troca de pneus, os alunos passam para as aulas práticas. 

“Existem muitos deficientes visuais que não conseguem enxergar a realidade do mundo atual. mas têm uma percepção especial para identificar a felicidade nas pequenas coisas, como sentir a brisa refrescante durante um passeio”, destaca Xico.

Em um ano de existência, quatro pessoas  foram beneficiadas pelo Pedalando com Olhos e Coração. Eduardo Fermiano Luccas, 11, participou das aulas com Francisco. Ele nasceu cego por conta de deslocamento de retina. Aos sete anos entrou para o Roda Guia. Logo após a saída de Hoff, ele o seguiu no Pedalando com Olhos e Coração e, assim, conseguiu ter autonomia para andar livremente sozinho. “Ele  era muito agitado e nervoso, o projeto ajudou muito, pois ele começou a se expressar mais”, comenta a mãe, Marcia Espíndola Fermiano.

Atualmente, o fundador está em busca de voluntários para que mais pessoas possam ser atendidas e, com isso,  o programa possa se consolidar, criando núcleos educacionais e oferecendo serviços em vários pontos de Joinville.

Roda Guia é referência nacional na capacitação de pilotos para cegos

Idealizado pela Associação Joinvilense para Integração dos Deficientes Visuais (Ajidevi), o Roda Guia utiliza uma bicicleta de dois lugares, chamada tandem, para realizar passeios com os alunos. “O deficiente visual que pedala conosco volta realizado, com imagens na sua cabeça conforme a descrição que ouviu, não apenas com a lembrança de barulhos diferentes”, declara a coordenadora Andreia Moreira Grezano.

Em agosto deste ano ocorreu a primeira formatura de capacitação para pilotos. Foram semanas aprendendo as teorias e técnicas para dar aulas a deficientes visuais. “Nós vendamos os alunos e os levamos  para passear, a fim de que tenham experiência de uma pessoa cega”, comenta Andreia. Depois, os alunos carregam os professores vendados na bicicleta para aprenderem a manter o equilíbrio.

Apesar de o Roda Guia ser um projeto joinvilense, professores de diversas outras cidades brasileiras vieram até Joinville em busca de aprender mais sobre essa prática e levarem a outros municípios esse tipo de iniciativa.

O trabalho do Roda Guia iniciou em maio de 2014, com apenas uma bicicleta. Os responsáveis pela instituição fizeram parceria com os participantes do Pedala Joinville e iniciaram as aulas uma vez por semana. 

Os voluntários do projeto foram instruídos sobre como lidar com deficientes visuais e como seria a experiência dos alunos em cima da bike. “Ser os olhos de alguém que deposita toda confiança em mim, sem ao menos me conhecer, isso me cativou”, diz a professora Jeanine Nascimento.

O Roda Guia formou um time de ciclismo para competir no Jogos Abertos Paradesportivos de Santa Catarina (Parajasc) em agosto do ano passado. Os atletas conquistaram o terceiro lugar em equipe e quarto lugar no feminino, pela ciclista Ondina Barbosa. Para conhecer mais sobre esse projeto, basta entrar em contato pelas redes sociais do projeto da Ajidev ou pelo tefelone (47) 99198-9921.

Posts relacionados
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *