Internet reforça preparação de estudantes para o Enem

Internet reforça preparação de estudantes para o Enem

Por Amanda Cristina, Destiny Goulart, Dielin da Silva e Gabriele Morais

O prazo de inscrições para a edição 2019 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)  termina no dia 17 de maio. Já no primeiro dia de inscrição o número de solicitações para a isenção da taxa de 85 reais chegou a 3,6 milhões. Em 2018, 6,7 milhões de pessoas se inscreveram para o Enem e, destas,  5,5 milhões confirmaram a participação na prova. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), foi o menor número de ausentes registrado desde 2016, quando  24,9% dos inscritos não compareceram ao exame.

Em 2018, um total de  63,8% dos inscritos no Enem foram beneficiados com a isenção e, destes 39,7% tiveram direito à isenção da taxa porque cursaram todo o Ensino Médio na rede pública ou como bolsistas na rede privada, com renda familiar igual ou menor que um salário mínimo e meio por pessoa. Esses dados demonstram que o perfil de boa parte dos participantes do Enem é composto por estudantes vindos de famílias de baixa renda. Sem ter acesso a escolas privadas ou cursos preparatórios, muitos desses estudantes buscam na internet um reforço para os estudos.

Há várias plataformas voltadas para a educação, como canais no Youtube, sites educacionais e até aplicativos que podem auxiliar os estudantes na preparação para o exame. O estudante de Jornalismo Kevin Eduardo da Silva, 18 anos, realizou o Enem no ano passado e obteve sucesso nas provas. Kevin estudava através do Hora do Enem, programa produzido pela TV Escola, emissora vinculada ao MEC. Nadine Quandt, 18 anos, e Ivilhane Elis Sulzback, 34 anos, também utilizaram a internet na preparação para as provas e hoje frequentam o curso de Jornalismo. “Usava basicamente  canais no Youtube, palestras, sites específicos”, lembra Ivilhane. O desafio para ela foi atualizar os conhecimentos do ensino médio. Formada em Administração, Ivilhane teve apenas duas semanas para se preparar para as provas.  “A desvantagem de estudar sozinho, só com a internet, é não ter com quem tirar dúvidas”, observa.

Além de conteúdo online, Nadine também utilizava livros e apostilas emprestadas de alguns amigos que estudavam em escolas particulares. Antes de entrar na faculdade, a estudante passava boa parte do dia em função dos estudos, frequentava a escola pela manhã e à tarde se preparava para as provas de Enem e Vestibulares. “Eu usava mais os canais de videoaula no YouTube, também pegava emprestada de uma amiga a senha  do Descomplica para, assim, ter acesso a mais conteúdos”, conta. A plataforma citada pela jovem está entre as favoritas de quem está se preparando para ingressar na universidade.

Estudos esbarram na necessidade de trabalhar

Ao chegarem ao ensino médio, muitos alunos de escola pública conciliam o trabalho com os estudos o que reduz  o tempo de preparo para o Enem. O professor de rede pública José Antônio Fernandes, 35 anos, afirma que a falta de cursos preparatórios a preços “populares” dificulta os estudos de estudantes com poucos recursos financeiros.  Fernandes também destaca a importância do incentivo das escolas. “Criar cursos de preparação com professores voluntários seria um ótimo caminho, mas para isso precisa-se de espaço, de estrutura e de gente engajada e disponível”, opina.

Para estudantes sem condições de pagar curso preparatório, tecnologia é principal aliada/ Foto: Marcelo Camargo – Agência Brasil

No Brasil, quatro em cada dez alunos da rede pública almejam cursar o ensino superior. Na rede privada, o número aumenta para sete em cada dez, de acordo com estudo feito pelo Iede (Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional), realizado a partir de dados do Pisa (teste internacional de aprendizagem), feito com jovens entre 15 e 16 anos. Isso se deve à falta de recursos para pagar a mensalidade e à necessidade de trabalhar para ajudar na renda da família. Segundo o professor, essa falta de tempo e o cansaço deixam os estudantes desestimulados para as provas.

Fernandes costuma  aconselhar seus alunos a utilizarem sites e plataformas na internet, além dos livros, é claro. Mas adverte: “a internet é grande e muito rica, mas também tem muita coisa que, ao invés de ajudar, acaba atrapalhando.” Por isso ele recomenda cuidado com a escolha das fontes. 

Bem recomendados

Os links abaixo oferecem bons conteúdos para quem está se preparando para o Enem:

Geekie Games,

Me salva ,

Blog Pro Enem,

reVisão,

Descomplica 

 Nerckie 

Hora do Enem

 

Posts relacionados
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *