Estudantes do Ielusc participam de conferência sobre Jornalismo de Dados

Estudantes do Ielusc participam de conferência sobre Jornalismo de Dados

Por Fernanda de Lourdes Pereira/ 20150818@ielusc.br

Quatro formandos de Jornalismo da Faculdade Ielusc participaram da Conferência Brasileira de Jornalismo de Dados e Métodos Digitais – Coda.Br, que aconteceu nos dias 10 e 11 de novembro, na faculdade ESPM, em São Paulo. O evento reuniu alunos, jornalistas e especialistas em dados para compartilhar experiências na área. Bruno Nunes, Fernanda de Lourdes, Lucas Cordeiro e Sandreli Wagner puderam aprimorar seus conhecimentos sobre jornalismo de dados, além de ter contato com profissionais de grandes veículos e com projetos inovadores no jornalismo digital do Brasil e de outros países.

Em sua terceira edição, o Coda.Br teve como temas principais dataviz (visualizações de dados), fact checking e machine learning (método de análise de dados que automatiza a construção de modelos analíticos). Os workshops, palestras e mesas de debates foram divididos entre os níveis iniciante e avançado.

Além das conversas com os participantes nos corredores da ESPM, também foi possível acompanhar os bastidores pela hashtag #codaBr18 no Twitter, onde slides dos palestrantes eram compartilhados. Essa interação com os jornalistas que atuam na área foi o que mais chamou a atenção dos alunos do Ielusc. “Trocar experiências com pessoas que estão trabalhando em veículos tradicionalmente conhecidos foi o ponto alto do evento eu diria”, relata Lucas. Ele destaca a importância de aproveitar essas oportunidades durante a faculdade. “Trata-se de um nicho relativamente novo ao qual os cursos de jornalismos ainda estão se adaptando. Então fica a dica para os estudantes: participar desse evento e absorver todo esse conhecimento é um diferencial competitivo para o mercado.”

Com produção colaborativa, Atlas da Notícia mapeia veículos de jornalismo local

Escolas precisam ensinar a ler imagens

O Coda.Br é um evento organizado pela Escola de Dados, com apoio de várias entidades, como a Abraji, o Google New Initiative e o Knight Center for Journalism in the Americas. Essas instituições ajudam a trazer jornalistas e cientistas de dados de todo o Brasil e do exterior como palestrantes.

Na mesa de debate que abriu o evento em 2018, Alberto Cairo (University of Miami) e Fernanda Viegas (Google) falaram sobre a importância da visualização dos dados pelo público em geral. Cairo afirma que o dataviz vai se transformar em uma linguagem universal, mas, para isso, é preciso preparar a população para interpretar essas visualizações. “Eu acho que a explicação de como interpretar a visualização de dados é algo que pode ser colocado nos sistemas educativos, do mesmo jeito que a gente ensina a crianças a ler textos, precisamos ensinar a ler imagens, não só visualização de dados, mas qualquer tipo de imagem”, afirma.

Cairo explica que a dificuldade do usuário para interpretar os infográficos de forma correta decorre da falta de exposição do público a essa gramática dos dados. “Eles entendem intuitivamente, mas não conceitualmente, e esse conhecimento conceitual é necessário não só para quem cria as visualizações, mas também para saber interpretar os dados do jeito certo”, afirma.

No Brasil, é crescente o avanço de reportagens baseada em dados, principalmente depois de 2011, com a criação da LAI (Lei de Acesso à Informação), que ampliou as possibilidades de acesso aos dados públicos, não só pelos jornalistas e veículos de comunicação, mas também para toda população.

O encerramento do Coda.Br 2018 contou com o lançamento do 1º prêmio brasileiro de jornalismo de dados, o “Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados”. A organização do evento apresentou as categorias, o júri e as datas de inscrição e de período de veiculação das matérias. Quem quiser saber mais informações pode acompanhar o site da Escola de Dados ou da Abraji.

 

 

Posts relacionados
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.