Abertura do Conipe aborda mudanças climáticas

Abertura do Conipe aborda mudanças climáticas

Por Thiago Rodrigues, Viktória Matos e Jucilene Schneider

Reflexões sobre as mudanças climáticas marcaram a abertura da segunda edição do Conipe (Congresso Integrado de Pesquisa e Extensão) da Faculdade Ielusc, na noite de ontem. Doutor em Clima e Planejamento Urbano, Francisco de Assis Mendonça mostrou como a educação pode auxiliar na compreensão da situação atual.

O palestrante mostrou como o modelo atual de desenvolvimento, movido pelo desejo de consumo, é  insustentável para o planeta. “Se todo mundo tiver um grande carro e uma grande casa, viajar de avião o tempo inteiro para consumir, a Terra não aguenta”.

Embora o professor não negue a influência humana nas mudanças climáticas, discorda de alarmismos. Para o pesquisador, os catastrofistas erram ao atribuir somente 10% das mudanças climáticas à atividade solar. Outra crítica é aos modelos atuais de previsão, pois não conseguem inserir o vapor como unidade claramente mensurável. “Então os modelos não são totalmente confiáveis. Não posso modelizar uma atmosfera da Terra em 2100, pois o dado vapor é crucial para falar de temperatura.” Ele destaca que 72% da superfície do planeta é  líquida, por isso é indispensável considerar a evaporação. 

Doutor em Clima e Planejamento Urbano, professor Francisco de Assis Mendonça /Foto: Mariane Machado

Para conscientizar a população sobre os riscos das mudanças climáticas, Francisco considera fundamental a utilização da educação como ferramenta de mudança. “Não há como combater as mudanças climáticas globais sem processos educativos sérios. É na escola que a gente consegue passar conhecimentos e orientar práticas que levem a combater as mudanças climáticas globais.”

Na primeira edição do Conipe, restrita a estudantes da Faculdade Ielusc, houve 86 trabalhos inscritos. Este ano foram recebidos 152 trabalhos, com participação de outras universidades, como Univille, Udesc e Univali.

Paulo Aires, diretor de ensino superior, destacou a importância do conhecimento científico / Foto: Mariane Machado

O diretor do ensino superior da Faculdade Ielusc, Paulo Aires, destacou a importância da pesquisa para o desenvolvimento da sociedade. “Diga não ao senso comum, diga não ao sempre foi assim”, afirmou em seu discurso de abertura. Os músicos Rafaela Antonioli e Tobias Alexandre interpretaram canções da música popular brasileira para a plateia que lotou o anfiteatro da unidade Saguaçu na primeira noite do evento.

Confira os principais momentos no vídeo produzido pela acadêmica Viktória de Matos F. Rodrigues.

Posts relacionados
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *